lucy em entrevista

98cw
Luciana em entrevista com Revista Ana 25-Fev-2007 Com a primeira série de Floribella prestes a chegar ao fim, Luciana Abreu faz o balanço do ano que mudou a mudou a sua vida. Trocou o Porto por Lisboa, passou do anonimato ao estrelato e deixou para trás as más lembranças de um passado marcado por dificuldades financeiras e problemas familiares. O inegável talento levou-a à fama. A humildade, a fé em Deus e a vontade de ajudar o próximo fizeram dela uma estrela. Como tem sido viver este sonho? Foi uma mudança radical na minha vida. Do dia para a noite, passei do anonimato a uma das pessoas mais conhecidas de Portugal . Não digo que tenha sido difícil lidar com isso, porque também não me apercebo muito disso, consigo fazer a minha vida normal. Continua atraída pelo projecto? Para mim, tenho o melhor trabalho do mundo. Acordo sempre com uma força enorme para ir trabalhar 12 ou mais horas. Além disso, todo o carinho que recebo, às vezes daqueles pequeninos de dois aninhos que me querem abraçar, é o melhor do mundo. A Luciana também acredita em fadas e mundos encantados? Acredito que existe Jesus e Jeová Deus, os santinhos e os Anjinhos da Guarda que nos acompanham. E em histórias com finais felizes como a Floribella ? A primeira série da Floribella não vai ter um final feliz, vai acabar com uma desgraça muito grande. Porém, a segunda série está fantástica e vai superar a primeira em todos os aspectos, tanto na música como na história. Além disso, o Ricardo Pereira também é um belo príncipe. Acredita no amor eterno? Não acredito porque, de facto hoje em dia, as pessoas são muito infiéis e isso deixa-me triste e põe-me a pensar se quero ter algum relacionamento sério com alguém. Todos temos qualidades e defeitos, mas, para mim, neste momento, jamais pensaria numa relação com alguém. Como vai o seu coração? Vai bem. Mais vale sozinha, do que mal acompanhada, mas também não tenho tempo para isso. Não tenho vida pessoal. Chego a casa, estudo os textos, janto e vou para a cama, muito raramente tenho oportunidade de sair ou de estar com a minha família. Não considera essencial um grande amor na sua vida? Não é necessário viver um grande amor para ser feliz, há outras maneiras de o ser. Então, qual é o segredo para ser feliz? Tenho muita fé, esperança e tenho o melhor amor do mundo, que é o da minha mãe. Ela é tudo para mim, por isso sinto-me preenchida e não me falta nada. Tenho uma irmã pequenina, que é a minha bailarina, somos uma família unida. Já passámos por muitas dificuldades na vida, desde problemas financeiros a maus-tratos físicos e psicológicos. Fomos muito maltratadas, mas agora somo felizes. Guarda traumas pelos problemas que viveu na infância? São coisas que eu jamais esquecerei, por muito que faça um esforço, porque me marcaram profundamente. Já falou da sua irmã mais nova. Como é a relação com a mais velha? Desde que entrei para a série que ela me pede para a pôr nas novelas. Ajudei-a monetariamente e ofereci-lhe um book, porque ela é alta e bonita, para tentar arranjar um trabalho e lutar pelos seu sonhos dela. Faço tudo o que estiver ao meu alcance, quando não posso, não posso. Porém, nas entrevistas que ela deu nota-se alguma inveja... Há muitas coisas injustas na vida e todo o tipo de injustiças eu entrego a Deus. Não sou de lamentar-me. Há pessoas que são maldosas, inventam coisas, mas eu enfrento tudo isso com o maior sorriso na cara e ainda faço bem a quem me faz mal. Como gasta o dinheiro que ganha? Sou muito poupadinha, compro só o que é preciso e gasto mais com os outros do que comigo. Faz questão de ajudar a sua mãe? A minha mãe já passou fome por nós. Sofreu muito para nos dar uma vida boa e já trabalhou tanto para nos fazer felizes que eu sinto-me na obrigação de não a deixar trabalhar. Ela quer, mas eu bato o pé e digo-lhe que agora é a vez dela ser feliz. Disse numa entrevista que gostaria de adoptar uma criança. Matem esse desejo? Quem me dera! Adorava ter uma bebezinha chinesa. Por que prefere adoptar a ser mãe biológica? Porque agora não posso engravidar, tenho mais um ano de Floribella e muitos sonhos para realizar. Por quê uma criança chinesa? Porque na China existem as salas da morte. os casais só podem ter um filho e as meninas acabam por morrer nessas casas. Eu sei que é muito complicado, mas Deus está sempre comigo, pode não ser agora, mas é um dos meus grandes sonhos. Costuma ler as mensagens que os fãs lhe enviam? Tento. Tenho um quarto cheio de cartas. A minha mãe é que me ajuda a separar aquelas a quem devo ligar. Damos preferências a meninos com problemas de saúde, aos que estão internados nos hospital, mas não consigo dar atenção a todos. Não está cansada de ser a boazinha? Não estou cansada da Flor, porque ela tem uma personalidade muito forte e é emocionalmente bastante inconstante - tão depressa ri como chora. Porém, adorava fazer um papel de má ou maluca, uma coisa diferente, provar que sou capaz de fazer ainda mais. Tem receio de descer tão rápido como subiu? Não, nenhum, porque Deus está comigo e vou ter sempre trabalho, seja na televisão ou não. Já fui empregada de mesa, manicura. Trabalho para mim é trabalho.
1 245 vues 8 ans
floribella

À ne pas manquer